NOTÍCIA

Klabin constrói no Paraná uma das maiores fábricas de celulose do mundo

Nova fábrica: 75% do projeto foi alcançado

A paisagem é marcada por áreas de reflorestamento, mas a linha do horizonte é “furada” por “girafas metálicas”: nada menos do que 45 guindastes se destacam em meio à gigantesca construção da fábrica de celulose da Klabin, em Ortigueira, na região central do estado. Do mirante que permite ter uma dimensão da grandiosidade da obra – que ocupa o equivalente a 200 campos de futebol – os 12,5 mil operários parecem formiguinhas. A quantidade de trabalhadores é maior do que o número de habitantes em 242 cidades paranaenses.

A Klabin está construindo uma das maiores fábricas de celulose do mundo. Chamado de Projeto Puma, é o maior empreendimento privado em desenvolvimento no Paraná. Só a obra deve consumir R$ 5,8 bilhões. Mas ainda estão na conta os R$ 2 bilhões em ativos florestais – somados, os valores são semelhantes ao orçamento da prefeitura de Curitiba. Só em áreas de reflorestamento são 243 mil hectares – equivalente a cinco vezes o tamanho da capital paranaense.

Em meio à terra vermelha, se destacam também o brilho das armações metálicas e o cinza das estruturas de concreto. A fábrica toda é interligada por “pipe racks”, tubulações que abastecem fluidos e gases. Os canos, em linha reta, chegariam a 6,2 quilômetros. Já em concreto, foram descarregados 26 mil caminhões. Os 214 mil metros cúbicos seriam suficientes para fazer três Maracanãs. Uma torre de 160 metros se destaca no canteiro de obras. É do tamanho de um prédio de 55 andares – não há nenhum dessa altura em Curitiba e, para efeito comparativo, a torre panorâmica, conhecida como Torre da Telepar, tem 50 metros a menos.

Para evitar o tráfego de 400 caminhões por dia nas rodovias da região e ao mesmo tempo melhorar o acesso à fábrica, a Klabin está construindo as estradas que vai usar. Os 37 quilômetros de asfalto que estão sendo feitos em curto prazo representam a maior obra rodoviária do ano no Paraná. Além disso, um viaduto de ligação com a BR-376 está em execução, além um ramal ferroviário de 18 quilômetros. Os investimentos de agora representarão desconto em impostos estaduais no futuro.

Cerca de 200 ônibus passam o dia estacionados em frente ao canteiro de obras. Nos veículos, uma programação própria de rádio abastece os funcionários com informações no trajeto até o alojamento – a maior parte dos operários está alojada em Telêmaco Borba e o restante em Ortigueira. Por dia, 8 mil quilos de comida e 3 mil litros de café são consumidos nos refeitórios.

Neste momento, com o pico no número de funcionários, 75% do projeto foi alcançado. A previsão é de que a fábrica comece a operar em março de 2016, com 1,4 mil empregados. Em impostos, R$ 700 milhões devem ser recolhidos durante a obra e, depois do início do funcionamento, R$ 300 milhões ao ano.

 

Reportagem publicada por Gazeta do Povo e disponível em http://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/klabin-constroi-no-parana-uma-das-maiores-fabricas-de-celulose-do-mundo-00sbhqz37qeicmkkvv3dq73ty)

Imprimir
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS
Meta lança novo site: mais moderno e dinâmico

Em 04 de setembro de 2014 às 15h37

Cerimônia marca nova etapa na construção da Companhia Siderúrgica do Pecém

Em 04 de fevereiro de 2015 às 09h35

Take 1